Outubro tem previsão de mais temporais em Minas: saiba como se proteger

Após os temporais em que apenas 10 minutos de chuva foram suficientes para matar uma pessoa, derrubar árvores, tornar caótico o trânsito na capital mineira, além de provocar mais outras quatro mortes no interior, o período chuvoso 2017-2018 deve ficar mais próximo da normalidade, segundo a previsão meteorológica da Cemig. Mas o risco de tempestades ainda em outubro não está afastado e elas poderão retornar na segunda quinzena do mês. Segundo o meteorologista da empresa, Arthur Chaves de Paiva Neto, o fenômeno La Niña, que se forma no Pacífico, deverá ganhar força a partir de novembro, podendo provocar uma ligeira queda nas temperaturas em quase todo o estado, principalmente no Sul de Minas, Triângulo, Oeste e Zona da Mata. Com relação às chuvas, elas devem ficar pouco acima da média em quase todo o estado, exceto nas regiões Oeste, Central e Vale do Rio Doce, onde devem se manter próximas à média.

“A nossa expectativa para esse período chuvoso é que fique dentro da normalidade ou ligeiramente acima em algumas regiões. A tendência é que a gente tenha, no início do período, um volume um pouco abaixo do normal. Mas ao longo dos meses haverá chuvas mais cheias e volumosas”, prevê. Para explicar as ocorrências como a de segunda-feira, o metrologista afirma que as tempestades são comuns no início desta estação chuvosa. “Para outubro e início de novembro, esperamos temperaturas mais elevadas. Assim, com a umidade e a frente fria, novas tempestades podem ocorrer”, disse. A partir de amanhã, a tendência é de diminuição da quantidade de tempestades até a próxima semana. Na penúltima e última semana de outubro, entretanto, a expectativa é de maiores volumes.

Ontem, a companhia elétrica divulgou o plano de atendimento para os próximos meses. Com o intuito de minimizar os efeitos provocados pelas chuvas sobre o sistema elétrico, a Cemig anunciou que R$ 204 milhões foram investidos na melhoria e manutenção da rede de distribuição e no atendimento aos consumidores, sendo que R$ 41,1 milhões foram investidos apenas na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). Os recursos foram aplicados em extensão do sistema elétrico; reforço a reforma de subestações, linhas e redes; instalação de novos equipamentos automatizados e manutenção. Segundo o gerente de Relacionamento Comercial com Clientes de Distribuição, Elieser Francisco Corrêa, a empresa inspecionou 85% de toda a rede urbana da região, e mais de 88 mil árvores em conflito com a rede elétrica foram podadas. “As equipes de manutenção fizeram a limpeza de faixa nas redes rurais, numa área superior a 1 milhão de metros quadrados. Em toda a região metropolitana, quase 9 mil objetos, como taquaras, tênis etc, foram retirados da rede e cerca de três mil postes foram substituídos”, afirma o gerente.

CORTES As medidas, entretanto, foram insuficientes para evitar o caos na hora do temporal de segunda-feira. E ainda ontem de manhã alguns pontos da capital permaneciam sem energia. Em Belo Horizonte, equipes trabalhavam nos bairros Barro Preto, Carlos Prates, Prado e Santo Agostinho. Cidades da Região Metropolitana como Betim, Contagem e Santa Luzia também tiveram o fornecimento interrompido pelo temporal. As causas das ocorrências foram, em sua maioria, descargas atmosféricas e queda de objetos sobre a rede. “Na última segunda-feira tivemos uma chuva bastante severa por ser uma das primeiras. Tivemos uma grande número de clientes sem energia”, admitiu o gerente. O tempo de espera para a religação superou as estimativas para muitos clientes.

Árvore cai sobre carro estacionado na Avenida Brasil em BH

De acordo com a empresa, o tempo de espera do cliente tente a cair a cada ano. Enquanto em 2014 o prazo era de 5 horas, em 2017 a expectativa de atendimento é de 3 horas e 36 minutos em casos de acidente na rede elétrica. “Mesmo com todas as ações, não conseguimos prever todas as ocorrências. Em uma chuva forte, um telhado pode cair e interferir na rede elétrica. Em nosso entendimento, fizemos tudo o que poderia ser feito”, disse. “No campo, ao longo do ano, uma gama de empregados faz trabalho preventivo. No período chuvoso, eles são responsáveis pela manutenção corretiva. No call center, temos um acréscimo no número de profissionais”, pontua o gerente. Neste ano, dependendo da previsão meteorológica e dos efeitos causados por uma tempestade, até 1,1 mil empregados e mais de 240 veículos podem ser acionados na RMBH. O total de atendimentos, que inclui telefônico, presencial e digital, tem um aumento de 106% em dias críticos. Na segunda-feira, o número passou dos 100.491 de um dia comum para 207.459.

PREVENÇÃO E APLICATIVO A Cemig inaugurou neste ano as instalações do novo Centro de Operação da Distribuição (COD), considerado pela empresa a maior rede de distribuição da América do Sul, com mais de 500 mil quilômetros de extensão, e atendendo mais de 8,3 milhões de clientes. O Centro é responsável pela supervisão e controle da rede de distribuição da Cemig, com 16.796 quilômetros de linhas de distribuição, 393 subestações e 1.873 alimentadores de 13,8kV. O monitoramento do sistema elétrico é feito 24 horas por dia. Toda a demanda é  de serviços programados e emergenciais para as equipes de campo também é controlada pelo COD. Para os clientes, a novidade é o aplicativo disponível para smartphones e tablets. O novo sistema conta com 18 serviços, nos sistemas operacionais Android, IOS e Windows.

Confira os procedimentos básicos que devem ser adotados durante as tempestades

» Caso alguém se depare com um cabo partido, é imprescindível que se mantenha distante do local, se possível não permitindo que outras pessoas se aproximem, e ligue imediatamente para o Fale com a Cemig, no telefone 116, que funciona 24 horas por dia.

» Retirar os equipamentos elétricos das tomadas, evitando risco de queimar os aparelhos ou até a segurança das pessoas.

» Durante períodos de rajadas de ventos e descargas atmosféricas, as antenas de TV podem se desregular. Se isso ocorrer, não suba nos telhados para ajustá-las, pelo risco de queda, de choque elétrico e de ser atingido por um raio.

» Se houver a necessidade de utilizar o telefone durante as tempestades, a melhor opção é o celular, desde que o aparelho não esteja conectado na tomada, ou o telefone sem fio.

» Evite a permanência em lajes altas ou locais descampados. Jamais se abrigue embaixo de árvores e evite o uso do chuveiro elétrico.

» O raio provoca queimaduras gravíssimas e pode levar a parada cardiorrespiratória e à morte.

Fonte: Estado de Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *