Sargento reformado da Polícia Militar é assassinado a tiros

Em Pitangui, a polícia registrou o assassinato de um idoso de 86 anos, que era sargento reformado da Polícia Militar de Minas Gerais. O crime aconteceu no sítio do idoso, localizado na comunidade de Sacramento, zona rural de Pitangui.

O corpo de José Ephygenio Diniz somente foi encontrado porque um vizinho sentiu falta dele e ao observar viu o corpo caído na sala. A testemunha acionou a Polícia Militar imediatamente.

O corpo do sargento já estava em decomposição e foi periciado pela Polícia Civil. José Ephygenio foi assassinado com um tiro de arma de grosso calibre nas costas. Havia marcas de sangue no chão e nas paredes, e marcas dos projeteis da arma pela casa.

Os militares apuraram que a vítima estava separada da esposa dele, de apenas 42 anos, há três meses, mas que ela teria sido vista no sítio nas vésperas do natal na companhia de um irmão dela, que tem 37 anos.

Os familiares do idoso ainda disseram que a ex-mulher teria furtado o carro do pai e alguns móveis. Os policiais a encontraram em Pitangui.

Questionada, a suspeita afirmou que teria ganhado o carro de presente do ex-marido. O Corsa, que foi encontrado em uma garagem perto da casa dela, tinha queixa de furto em seu cadastro. A mulher foi presa por crime de receptação.

A Polícia Civil de Pitangui vai continuar investigando para saber se a mulher e o irmão dela tiveram alguma relação com a morte brutal do sargento reformado. O corpo foi removido pela funerária após os trabalhos periciais.

 

2 Comments

Leave a Reply
  1. Até o hoje o assassino do meu pai continua solto e impune. Nem o Laudo Pericial ficou pronto, não nos deixam ter acesso a nada e nem nos passam informações sobre o andamento do inquérito, que na verdade não vem nem sendo feito investigações para esclarecer a morte brutal do nosso pai.
    A indignação é que a principal suspeita esta sendo julgada hoje por receptação do veiculo furtado do nosso pai, cujo documento de licenciamento foi retirado da sua carteira no dia do crime. Essas e outras evidencias repassadas a Delegacia não adiantaram em nada. Acho que a justiça esta esperando o assassino chegar até eles e falar: Eu matei aquele Sgt com 35 anos de prestação de serviços, condecorado varias vezes, de ficha limpa, pai de família, que queria só curtir seu rancho e morto com tiros de calibre 12.
    Nem os furtos constantes do rancho, feitos pela suspeita, e com várias testemunhas e descobertos serviram pra nada. Sofa de 1800,00 vendidos por 200,00, sons, armas, alimentos, armários, geladeiras e televisores, roubados de um idoso de 86 anos não é crime…!
    Nem a promotoria age no intuito de exigir mais eficiência e eficacia da policia…nosso pai não passa de mais um morto somado nas estatísticas da criminalidade…mas quando um bandido morre…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *